Topo

Cultura e lazer

Viva a cidade. Saboreie experiências.

Cinco dicas para começar a curtir a vida paulistana de bicicleta

Marcela Braz

Colaboração para o UOL, de São Paulo

02/05/2018 04h00

Se faz tempo que você pensa nos benefícios de andar de bicicleta, seja para curtir o domingo na Paulista ou no Minhocão com o crush, seja para chegar ao trabalho sem pegar trânsito e ainda se exercitar, mas nunca engrenou esse projeto, essa matéria é para você.

Para te ajudar a sair da inércia, convidamos o grafiteiro, artista visual e ciclista Ciro Schu para dar dicas de ouro de como otimizar as primeiras pedaladas. As bikes não apenas fazem parte da rotina dele, como meio de transporte, desde o início dos anos 1990, mas integram também suas obras. Pode confiar que você está em boas mãos:

1. Antes de tudo, conheça sua bike

Existem muitos modelos: speed, híbridas, dobráveis, comfort, lazer, mountain bike, aro isso, aro aquilo... Enfim, muitas opções mesmo. O importante é escolher de acordo com suas necessidades. "Qualquer um consegue andar com qualquer bicicleta, mas precisa de adaptação, dirigibilidade, ganhar confiança", aconselha Schu. Ou seja, independentemente do tamanho, do tipo de roda e do modelo do selim, antes de sair por aí fazendo grandes aventuras, é preciso se acostumar com a bicicleta e criar uma dinâmica com ela. E isso só acontece na prática.

2. Insira ela aos poucos no seu cotidiano

A dica de Ciro é ir com calma, primeiro conquistando pequenas distâncias. A começar pela padaria, por exemplo, e depois ir ganhando território. "Não é de um dia para o outro que acontece. É que nem academia. Dificilmente uma pessoa que trabalha a sete quilômetros de casa foi assim, direto. Ela começou a inserir isso aos poucos no dia a dia dela", explica.

À medida que for ganhando confiança e melhorando o condicionamento físico, dá para ir aumentando as distâncias com segurança e eventualmente ir trabalhar diariamente de bicicleta. Para ganhar quilometragem, vale estudar as rotas de ciclovias e ciclofaixas e usar o transporte público como aliado: sua bike é bem-vinda no último vagão do metrô. Veja aqui os horários permitidos e outras dicas.

3. Invista paulatinamente na bike

Em vez de entrar com tudo e gastar muita grana logo de cara, a ideia é primeiro "pegar o gosto" pelo uso diário, segundo o grafiteiro, e identificar com o tempo como a bicicleta pode ser mais confortável e prazerosa de usar. "E aí a pessoa vai investindo na bike aos poucos, como investe nela mesma, e vai sentindo o que quer melhorar. É ter um pneu mais adequado, um banco maior?", exemplifica Schu. Só o tempo, a rotina e suas necessidades podem dizer.

LEIA MAIS

4. Cuide da sua segurança

Schu lembra que muitas pessoas usam o capacete frouxo, "tipo um chapéu", e isso pode ser bem perigoso. Ele precisa ser bem afivelado para não correr o risco do capacete se deslocar e machucar o ciclista. Ao andar à noite, é bom ter iluminação na bike ou usar um colete. Outros pontos de atenção são bueiros e buracos na via, além de ciclistas, pedestres e carros. "Tem gente que não tem noção de espaço. Mesmo na ciclofaixa, tem que prestar atenção. Os carros podem entrar no meio, ciclistas podem colidir com pedestres e, se não estiver prestando atenção, a pessoa pode se machucar", aponta.

Uma vez em cima da bike, o ciclista é um veículo. Isso inclui respeitar leis e sinalizações de trânsito. Ou seja, nas palavras de Schu, "evitar passar no farol vermelho, ficar na faixa de pedestres ou querer disputar corrida com carros, porque isso é arrumar confusão por bobagem. Tem que ser educado no trânsito. A gente cobra dos motoristas, então a gente tem que fazer a nossa parte".

Além disso, dependendo do percurso, uma boa pedida é convidar outras pessoas para pedalar junto. Além de te ajudar a se sentir mais seguro, é uma forma legal de socializar. "Quando você começa a andar de bike, percebe que é que nem ter cachorro: a bicicleta te ajuda a fazer amizades. É bacana porque as pessoas se identificam umas com as outras".

5. Cuide da segurança da bicicleta

Ter uma boa tranca e guardar a bicicleta em lugares movimentados, próxima a comércios ou em bicicletários é a melhor maneira de evitar roubos e aquele momento "cara, cadê meu carro?". O cadeado em u, ou u-lock, é resistente, e existem outros modelos difíceis de serem cortados com alicate. Vale a pena pesquisar.

Como todo veículo, a bike também pede manutenção, desde calibrar o pneu e ver se ele não está careca, até avaliar se há alguma folga na bicicleta. "Se a marcha estiver fora de sincronia, ela pode soltar a corrente e você pode perder o equilíbrio e se machucar", alerta Schu. Eventualmente, é legal fazer um curso rápido de conhecimentos básicos de manutenção de bicicleta ou até se munir de informações básicas encontradas online.

Mais Cultura e lazer