menu
Topo

Cultura e lazer

Viva a cidade. Saboreie experiências.

Refúgios para observar o céu e a chuva de meteoros que acontece em agosto

Lilian Sobral

Colaboração para o Urban Taste, em São Paulo

10/08/2018 04h00

Você deve ter percebido que o Instagram e outras redes sociais ficam inundadas de fotos da Lua durante o último eclipse. Parece que todo mundo está olhando para cima ao mesmo tempo. A qualidade questionável das imagens pode não despertar paixões, mas elas mostram uma coisa que não tem como negar: a gente adora olhar para o céu.

Se você faz parte desse time, a notícia é boa. Agosto é um mês muito seco e isso faz dele um dos melhores do ano para observar o céu. "O inverno é o melhor momento para conhecer astronomia na prática, porque as nuvens não estão no caminho", diz Carlos Mariano, professor de astronomia e diretor do Polo Astronômico de Amparo, a cerca de 125km da capital paulista.

Bill Ingalls / Divulgação
Imagem: Bill Ingalls / Divulgação

Agosto também é o mês em que todos os anos acontece a famosa chuva de meteoros Perseidas. O professor de astronomia Eder Canalle, coordenador do Projeto Astronomia no Verde, explica que ela tem esse nome porque os meteoros parecem vir da direção da constelação de Perseus.

Quando a gente vê esses riscos no céu, na verdade estamos vendo os detritos deixados pela passagem de um cometa queimando ao entrar em contato com a atmosfera da Terra. No caso das Perseidas, o responsável é o 109P/Swift-Tuttle, um dos cometas periódicos descobertos pelo homem.

Neste ano, o ápice da chuva de meteoros acontece na madrugada de 12 agosto. Mas apesar de ter grande atividade, com até 100 meteoros por hora, não é tão simples enxergar o fenômeno daqui do Brasil. Isso porque o posicionamento das estrelas cadentes só favorece a visibilidade a partir do hemisfério norte. Além disso, tem outro ponto muito importante em jogo: a iluminação da cidade, considerada poluição luminosa, que acaba clareando o céu e deixa nele aquele aspecto acinzentado.

Ethan Miller/Getty Images/AFP
Imagem: Ethan Miller/Getty Images/AFP

"Muita gente costuma dizer que no interior o céu é mais estrelado e isso não é verdade. A quantidade de estrelas é a mesma, elas sempre estão lá. Mas com o céu escuro é muito mais fácil observá-las", lembra Eder. Para aumentar suas chances de ver as Perseidas, vale escolher um lugar com menos poluição luminosa e dedicar bastante tempo para ver o céu durante o ápice da chuva, na madrugada do dia 12.

Veja também:

Fora ela, há muitas outras coisas para ver no céu este mês, como os planetas, lembram os astrônomos. Especificamente neste ano, Vênus, Marte, Júpiter e Saturno têm visualização privilegiada em agosto. Alguns corpos celestes e outros fenômenos podem ser vistos até a olho nu. Outros precisam de ajuda de alguns equipamentos e boas condições de visibilidade. Mas atenção: a observação do Sol não pode ser feita sem a ajuda de um profissional, porque traz riscos para a visão.

E aí, deu vontade de ver um pouco do que existe bem acima da gente? Escolhemos observatórios e passeios astronômicos, em São Paulo e em cidades bem próximas da capital, para te ajudar a conhecer e aprender mais sobre o céu.

Polo Astronômico de Amparo

Divulgação
Imagem: Divulgação

Os equipamentos de grande porte e a posição privilegiada em zona rural prometem uma observação de cair o queixo. As sessões de observação acontecem aos sábados, e o ingresso te dá direito a participar de todas as atividades do dia, completando a experiência astronômica.

Vai lá:
Altura do quilômetro 29 da SP95, Rodovia Benevenuto  Moretto, saída para o Bairro do Sertãozinho, em Amparo.
Todos os sábados, além de sessões especiais.
R$ 28 (inteira) e R$ 14 (estudantes, pessoas acima de 60 anos, professores das redes públicas municipal e estadual, aposentados e portadores de necessidades especiais, com apresentação de comprovante). Recomenda-se compra antecipada no site.
Telefone: (19) 3326-8264

Observatório Municipal de Campinas Jean Nicolini

Já pensou em olhar o céu em um dos primeiros lugares feitos para isso no país? Inaugurado em 1977 como Estação Astronômica de Campinas, este foi o primeiro observatório municipal do Brasil. Amantes da astronomia, observadores amadores e pesquisadores são bem-vindos nas sessões públicas, que precisam de agendamento prévio.

Vai lá:
Estrada do Capricórnio – Serra das Cabras - Distrito de Joaquim Egídio
Domingo, das 17h às 21h.
Precisa agendar pelo telefone ou por e-mail: observatorio.municipal@campinas.sp.gov.br
Grátis.
Telefone: (19) 3298-6566

Fundação CEU

Divulgação
Imagem: Divulgação

O espaço promove uma série de atividades para o público geral e, entre elas, sessões de observação. A Lua é o grande destaque, acompanhada de estrelas e constelações visíveis.

Vai lá:
Rua Emílio Dalla Déa Filho, s/n, portão 4, Brotas.
Sexta e sábado (sessões de observação).
R$ 70 (inteira) e R$ 35 (meia).
Precisa agendar.
Telefone: (14) 3653-4466

Planetário Aristóteles Orsini (Ibirapuera)

O espaço dentro do parque mais conhecido de São Paulo faz, às sextas e sábados, diferentes sessões que se revezam entre palestras, recriação do céu e até atividades especiais para crianças.

Vai lá:
Avenida Pedro Álvares Cabral, dentro do Parque Ibirapuera
Sextas e sábado.
As sessões cidadãs são gratuitas. As outras custam de R$ 4 (meia) a R$ 8 (inteira). Ingressos podem ser comprados ou retirados na bilheteria e no site.
Telefone: (11) 5575-5206

Astronomia no Verde

A ideia do projeto é combinar o ensino da astronomia com uma experiência imersiva de contato com a natureza. A parte prática, o Astronomia no Sítio, traz a cada mês um tema diferente. Em agosto, o público vai aprender sobre Plutão, que já foi considerado um planeta. Também deve ser possível observar outros corpos e planetas e tomar um café orgânico, preparado na hora. Para participar, é preciso realizar a inscrição no site e esperar a confirmação por e-mail.

Vai lá:
Sítio Serra das Paineiras - Estrada Laranja Azeda, 1620, Santa Clara, Jundiaí.
18 de agosto, a partir das 16h45.
R$ 80 por pessoa
Transporte opcional com saída do metrô Barra Funda, às 14h, e horário de retorno previsto para 23h, custa R$ 50 e deve ser informado na inscrição.
Telefone: (11) 96104-2664
Mais informações no site do projeto.

Observatório Abrahão de Moraes (OAM)

Divulgação
Imagem: Divulgação

O espaço do Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas da Universidade de São Paulo (IAG-USP) organiza eventos mensais para receber o público geral. Em agosto, serão três sessões do "Noite com as Estrelas", com três grupos em cada uma. "Estamos numa época extremamente favorável para observação. A Lua é um espetáculo garantido", diz o professor Ramachrisna Teixeira, para quem também deve ser possível observar aglomerados de estrelas e outros pontos interessantes no céu.

Vai lá:
Rua do Observatório, s/n, Valinhos (com acesso via Vinhedo)
17, 18 e 19 de agosto, às 18h30, às 20h e às 21h30 (são três grupos por noite).
É necessário agendar pelo telefone.
Grátis.
Telefone: (19) 3856-5400

Observatório Didático de Astronomia Lionel José Andriatto - Unesp/Bauru

O espaço é aberto uma vez por mês para o público aprender mais sobre astronomia. Em agosto, quem participar do passeio pode observar a Lua crescente e os planetas Júpiter e Saturno, além de tirar dúvidas com profissionais durante a palestra. As observações são feitas com até seis telescópios e dependem das condições atmosféricas.

Vai lá:
Estrada Municipal José Sandrin, s/n, Bauru
18 de agosto, entre 19h e 22h.
Não precisa agendar, mas vale chegar com antecedência.
Grátis.
Telefone: (14) 3103-6030 – ramal 151

Mais Cultura e lazer