menu
Topo

Cultura e lazer

Viva a cidade. Saboreie experiências.

Oito lugares para andar de skate, patins e bike em São Paulo

Secretaria Municipal de Esportes / Divulgação
Centro de Esportes Radicais, no Bom Retiro Imagem: Secretaria Municipal de Esportes / Divulgação

Isabela Marinho

Colaboração para o Urban Taste, em São Paulo

07/11/2018 04h00

O skate é um dos mais novos esportes olímpicos e fará a sua estreia nos Jogos em 2020 na Olimpíada de Tóquio. O surfe sobre rodas surgiu na Califórnia na década de 1950 para aplacar a angústia dos surfistas de ondas gigantes, que ficavam sem seu esporte favorito em dias em que o mar não estava para peixe, ou melhor dizendo, para manobras.

A partir de 1960, o skate foi conquistando aos poucos sua identidade, seu espaço, seus próprios campeonatos e, dentro deles, diversas modalidades. Duas delas entraram na Olimpíada: street e park. A primeira mostra a força que a cidade e seus obstáculos tiveram para que o esporte ganhasse corpo, até que fossem criadas pistas imitando os obstáculos urbanos, como corrimãos, escadas, degraus e desníveis. A segunda é para os esportistas que não aceitaram apenas os desafios das ruas e quiseram também se aventurar em bowls e banks, pistas em formato de piscina, para fazer manobras em velocidade. 

Dessa forma, o skate foi ganhando a simpatia dos brasileiros, estreitando o contato com a cidade, ainda mais expressivo na prancha de rodinhas. Nesta mesma toada, aumentou o interesse pela prática de patins inline (todas as rodas numa mesma linha) – tanto no freestyle quanto na modalidade slalom, que consiste em fazer manobras coordenadas em torno de pequenos cones.

Veja também:

Desde 2005, quando foi criado pelos franceses, o slalom vem ganhando as ruas, quadras e parques das grandes cidades. O desafio que a modalidade impõe ao patinador requer técnica, concentração e muita habilidade para deslizar entre os cones simétricos. Atualmente, as competições de patins inline têm as provas de slalom, saltos em altura sem rampa e frenagem com deslocamento.

A prática destes esportes é um excelente meio para estar em contato com a cidade e para explorar os cantos bacanas entre o verde e o concreto. Neste sentido, as bicicletas também são grandes aliadas – tanto para o lazer, como para meio de transporte. Seguindo essa tendência no mundo, desde 2016, a capital paulista possui mais de 400 km de extensão em ciclovias.

Com isso, a cultura da magrela tem se expandido: segundo dados da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), o número de viagens de bike na Faria Lima aumentou 45% de janeiro a julho de 2018 no comparativo com o mesmo período do ano passado, de 537 mil para 781 mil. Na ciclovia da Vergueiro, houve aumento de 10% neste mesmo intervalo de datas.

Parece que o costume de usar esses equipamentos veio para ficar e se tornou uma maneira de ter bem-estar na loucura da cidade. Por isso, o Urban Taste lista oito lugares para a prática destes três esportes na cidade de São Paulo.

Centro de Esportes Radicais

Secretaria Municipal de Esportes / Divulgação
Imagem: Secretaria Municipal de Esportes / Divulgação

Começando na região central de São Paulo, no coração da capital, um parque com 38 mil m² no Bom Retiro se tornou um oásis para os amantes de patins inline, skate e bike BMX (aquelas menores do que os modelos comuns, com pneus grossos, para fazer provas e manobras). O lugar atende desde iniciantes até profissionais nas modalidades. Pistas variadas, desde uma mini-ramp em formato de U para quem quer iniciar sua aventura passando pela Street Park – com rampas e escadarias simulando a arquitetura urbana –, até o pump track, circuito com início, meio, mas nunca um fim, em que você anda em velocidade passando por obstáculos. O parque tem também pista para iniciantes na modalidade vertical de BMX (bike), inline (patins), além de opções tradicionais de brinquedos infantis, equipamentos de ginástica e alongamento ao ar livre, ciclovia, pista para caminhada e mesas com tabuleiros para jogos de damas. O ponto alto é a ótima conservação da área, com entrada e estacionamentos gratuitos.

Vai lá:
Avenida Presidente Castelo Branco, nº 5.700, Bom Retiro.
Todos os dias, das 8h às 22h
Telefone: (11) 3224-9159

Clube Esportivo Municipal da Mooca

Secretaria Municipal de Esportes / Divulgação
Imagem: Secretaria Municipal de Esportes / Divulgação

No caminho para a zona leste, o Clube Esportivo da Mooca abarca uma pista de skate de 1.150 m². O circuito de street simula obstáculos encontrados nas ruas, como corrimãos, degraus, rampas como quarter, savana com gap, HIP 45º e caixotes, além de um bowl -- estrutura semelhante a uma piscina – com 267 m². Além disso, todas as modalidades de patins, patinetes, skate e bicicletas podem ser praticadas lá.

Vai lá:
Rua Taquari, 549, Mooca.
Segunda a sextas, das 9h às 20h.
Sábado e domingo, das 9h às 18h.
Telefone: (11) 2694-7668

Parque Estadual do Belém

Divulgação
Imagem: Divulgação
Ainda na zona leste, no Parque Estadual do Belém, uma área coberta é reservada só para praticantes de patinação inline, com foco na modalidade slalom. Neste espaço, especificamente, é proibido o uso de skate ou bicicleta. O parque também tem uma ciclovia (1.500m) e uma pista para manobras radicais que pode ser usada por skatistas e patinadores.

Vai lá:
Avenida Celso Garcia, 2231, Belém.
Todos os dias, das 6h às 20h.
Telefone: (11) 2081-2441

Marquise do Ibirapuera

Simon Plestenjak/UOL
Imagem: Simon Plestenjak/UOL
Na zona sul da capital, o Parque do Ibirapuera tem um ponto de encontro que se tornou um ótimo ambiente para quem quer aprender ou já sabe andar de skate ou patins. Patrimônio histórico tombado, a Marquise do Ibirapuera foi projetada por Oscar Niemeyer e hoje agrega diversos públicos. Para os patinadores e skatistas, a regra é a seguinte: só pode ir de segunda a sábado, enquanto o parque estiver funcionando. Aos domingos e feriados, esse tempo é limitado até as 12h e depois das 18h, por causa do grande fluxo de pedestres. O estacionamento do Ibirapuera é gratuito no período noturno.

Vai lá:
Parque do Ibirapuera - Avenida Pedro Álvares Cabral, s/n, Vila Mariana.
Todos os dias, das 5h à 0h.
Telefone: (11) 5574-5045

Parque das Bicicletas

Também na zona sul, o Parque das Bicicletas possui extensa área verde no meio de uma região muito movimentada de São Paulo. Apesar do nome, o espaço não está restrito às magrelas; serve também aos skatistas, patinadores, corredores e quem curte fazer caminhada.

Vai lá:
Alameda Iraé, 35, Moema.
Todos os dias, das 6h às 22h.
Telefone: (11) 3396-6400

Parque Cândido Portinari

Vizinho do famoso Parque Villa-Lobos, o Cândido Portinari é uma opção na zona oeste para quem quer andar de skate. A pista Park inclui obstáculos de diferentes modalidades do esporte. Com 830m² de área, um deep end de 2,9 metros (altura da borda até o fundo da “piscina”) e elementos de street ao seu redor, a pista tem características similares às mais completas do mundo.

Vai lá:
Avenida Professor Fonseca Rodrigues, 1365, Alto de Pinheiros .
Todos os dias, das 5h30 às 19h; no horário de verão, a pista fica aberta até as 20h
Telefone: (11) 2683-6302

Parque da Juventude

Secretaria do Meio Ambiente / Divulgação
Imagem: Secretaria do Meio Ambiente / Divulgação
Na zona norte de São Paulo, a Pista Pública do Parque da Juventude, conhecida entre os frequentadores como Pista do Carandiru, é o ponto de encontro para os amantes de skate, patins e bike. A área de street passou por uma reforma em 2011 e, além do novo piso, ganhou iluminação, estendendo a programação também para as noites. O parque tem bastante área verde e está bem próximo da estação de metrô Carandiru.

Vai lá:
Avenida Zaki Narchi, 1309, Santana.
Segunda a sábado, das 6h à 0h.
Domingo, das 6h às 22h.
Telefone: (11) 2089-8600

Avenida Paulista

Aos domingos e feriados, a Avenida Paulista é uma ótima opção para dar um rolê de skate, patins ou bike. A circulação é livre das 10h às 19h.

Veja também:

Mais Cultura e lazer