menu
Topo

Cultura e lazer

Viva a cidade. Saboreie experiências.


Cultura e lazer

De queijos a gin, aulas agitaram o Festival Urban Taste Cultura de Boteco

André Porto
Gin Tônica da destilaria San Basile Imagem: André Porto

Lilian Sobral

Colaboração para o Urban Taste, em São Paulo

2019-05-23T11:45:35

23/05/2019 11h45

Em meio a bons drinques, cerveja gelada e petiscos de dez tradicionais bares de São Paulo, quem aproveitou o Festival Urban Taste Cultura de Boteco, que aconteceu nos dias 18 e 19 de maio no Museu da Casa Brasileira, também aprendeu muito em dois workshops especiais.

No domingo, rolaram duas masterclasses com temas bem diferentes para agradar a todos os gostos. Na primeira, a produtora de queijos Zeide Faraud mostrou cinco variedades artesanais (e encantou a todos com sua história). Em seguida, foi a vez do bartender Caio Bologna, consultor da destilaria San Basile, ensinar todos os truques e macetes para fazer o gin tônica perfeito.

Receita francesa, sotaque brasileiro

Essa é uma ótima maneira de definir tanto os queijos que Zeide Faraud e o marido, Christophe Faraud, produzem artesanalmente em Natividade da Serra (SP), quanto a história do casal.

Começou em 1998, quando ela, brasileira, e ele, francês, se conheceram em São Paulo. Ali foi o start do romance que, em 2003, viraria aventura. Cansados das rotinas paulistanas, decidiram sair por aí, velejando o mundo. Foram 5 anos em águas da Europa, África e Brasil. Terminou com o casal voltando para França, onde tinham uma pequena fazenda em Aix-en-Provence, cidade natal de Christophe.

Um casal assim não para quieto num só lugar do mundo. E, é claro, não se contenta com uma rotina de escritório como a que tinham antes da grande viagem. Foi assim que, ao decidirem voltar para o Brasil, quiseram fazer algo diferente.

A experiência com o dia a dia na fazenda em Aix os motivou a estudar profundamente as receitas de queijos franceses. Escolheram a cidade paulista de Natividade da Serra e começaram a produzir ali queijos de inspiração francesa. "Mantemos nossa produção bem pequena e cuidamos pessoalmente de cada variedade para dar a atenção que as receitas precisam", conta Zeide, que diz que a produção atualmente está em 300 litros por dia.

E foram esses queijos carregados de história que ela apresentou em sua masterclass no Festival Urban Taste Cultura de Boteco. Zeide levou cinco tipos de queijos artesanais e explicou que cada variedade é produzida numa câmara de maturação diferente. Para se ter ideia da delicadeza do produto, vale contar o exemplo do Mimo da Serra, um queijo que tem a casca envolta em mofo. "Na câmara deste, por exemplo, preciso até usar uma roupa especial para não contaminar o restante da produção", conta Zeide.

Cada um dos cinco queijos apresentados traz uma história diferente. Mas o Coração, da família do brie e do camembert, é especial. Na Guerra dos Cem Anos, era com essa receita que as queijeiras francesas presenteavam os soldados ingleses. E, por isso, o formato romântico, de coração.

Como a produção é limitada, Zeide e Christophe fornecem apenas para restaurantes e alguns pontos de vendas específicos em São Paulo. Deu vontade de provar? Veja onde encontrar:

Vai lá:

A Queijaria
Rua Aspicuelta, 35, Vila Madalena, São Paulo.
Telefone: (11) 3812-6449 e (11) 94322-3132

Mateba - Cultura da Terra
Rua Mourato Coelho, 1427, Vila Madalena, São Paulo.
Telefone: (11) 99543-5842
Mais informações pelo email: contato@mateba.com.br

Armazém São Paulo (Mercado Municipal de Pinheiros)
Rua Pedro Cristi, 89, Box 11/12, Pinheiros, São Paulo.
Telefone: (11) 3031-1012
Mais informações pelo email: contato@armazemsaopaulo.com

Casa Da Boa Comida
Rua Cayowaá, 1737, Sumaré, São Paulo.
Telefine: (11) 99355-6319
Mais informações pelo email: casadaboacomida@gmail.com

À procura do gin tônica perfeito

Para os amantes do gin, não faltou informação boa! Em sua masterclass no Festival Urban Taste Cultura de Boteco, o bartender Caio Bologna, consultor da destilaria San Basile, contou a história da bebida, ensinou a harmonizar com comida (sim, é possível!) e revelou todos os truques para se fazer um gin tônica perfeito.

Você sabia que o gin é um santo remédio? Foi com essa história que Caio começou sua aula. "O zimbro, que é a base da bebida, tem propriedades medicinais, e o gin nasceu na Holanda, onde era colocado em álcool para melhorar sua conservação", contou.

Assim como vinho, cachaça e outras bebidas dignas de degustação, cada gin tem uma característica diferente. O bartender apresentou dois rótulos da San Basile e explicou como tirar um ótimo proveito de cada um deles.

O primeiro apresentado foi o San Basile's Classic Gin que, como o nome diz, tem uma receita mais clássica. "O gin clássico é ideal para usar em drinques e acompanhar massas", diz. Já o segundo tipo, batizado de New Wave, tem como característica ser mais refrescante. "Perfeito para pratos como frutos do mar", completa Caio.

Não dá para assistir uma aula dessa é só ficar olhando, certo? Quem acompanhou a masterclass também pode testar suas habilidades de bartender na prática. Confira cinco dicas de Caio para um gin tônica perfeito:

  1. A tradicional taça de boca larga é uma boa pedida, já que favorece a liberação de aromas de seu drinque.
  2. Um bom drinque tem três partes de tônica para uma de gin. Na taça típica, isso significa 50ml de gin (um copo de shot).
  3. Quer evitar que seu drinque fique aguado? O truque é colocar a bebida no copo ou taça antes do gelo. Evitando o contato direto das pedras com o copo, elas derretem menos.
  4. A tônica é uma bebida cheia de borbulhas e é preciso aproveitá-las o máximo possível. Para não desperdiçar, a dica de Caio é chegar com a lata de tônica bem perto do copo e, se possível, quase encostar a bebida no gelo enquanto despeja na taça. "Nunca sirva de muito longe", diz.
  5. O gin tônica pode misturar frutas, especiarias, chá e ervas. Nos ingredientes frescos, o truque é dar uma leve pressionada para liberar aromas. Um exemplo? Dar um leve "tapinha" nas folhas de hortelã antes de por no copo. Nada de macerar com força! E pronto: com essas dicas, não tem como dar errado. Bora fazer

Mais Cultura e lazer